03040_147045p3

 

 

 

 

 

 

 

Por Simone Pallone

No dia 25 de fevereiro será lançado o livro Futuros do bioetanol: o Brasil na liderança?, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo. O livro foi produzido por 17 pesquisadores ligados ao Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação do Setor Sucroenergético (Nagise) e organizado pelo engenheiro agrônomo e economista Sergio Salles-Filho, professor do Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp. <link para http://www.fca.unicamp.br/nagise/>

O livro é resultado de um amplo estudo sobre o setor sucroenergético, apoiado pela Finep – Inovação e Pesquisa e implementado por uma rede de instituições lideradas pela Unicamp, tais como a Embrapa Agroenergia, a Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e a FEA/USP-Ribeirão Preto.

Como parte do projeto, foram realizados cursos de treinamento que envolveram mais de 80 profissionais de 50 empresas que representam cerca de 1/3 da produção nacional de etanol. O objetivo foi desenvolver os temas inovação e gestão da inovação nas empresas, criando competências nessas áreas. Os cursos foram ministrados pela equipe de pesquisadores nas cidades de Limeira (SP), Brasília (DF) e Recife (PE), e auxiliaram os empresários a fazer seus diagnósticos e planos de gestão. Os resultados desse trabalho estão no livro, assim como informações sobre a evolução econômica do setor, questões relacionadas ao meio-ambiente e certificação e outras.

Para Salles-Filho, que coordena o Nagise, o livro, mais que um retrato, faz um “filme” da evolução recente nos últimos 10 anos do setor, no Brasil e no mundo. O período analisado, diz ele, foi marcado por sinais contraditórios das políticas do setor. Por um lado, uma grande propaganda e uma expectativa forte de fomento governamental e entrada de investimentos estrangeiros entre 2005 e 2010, comprando ou desenvolvendo novas plantas para produção de etanol de segunda geração. Porém, desde a descoberta do pré-sal, os sinais começaram a ficar confusos, até que nos últimos anos ficou claro o favorecimento ao petróleo, acompanhado de uma política de controle de preços da gasolina. “Isso mostra um conflito entre o setor e o governo, porque o setor pergunta se é ou não uma prioridade de Estado, já que essa política de preços acabou prejudicando a competitividade”, comenta o pesquisador.

Para ele, os cenários apontados no livro – os “futuros” do bioetanol – incluem necessariamente a inovação como uma saída, não apenas em tecnologia, mas em gestão, logística e marketing, além da importância de tornar o produto uma commodity, que seja comercializado globalmente, em volumes elevados e a preços definidos pelo mercado internacional.

O lançamento do livro, da editora Elsevier Campus, está marcado para 18h30, com presença dos autores, além de pesquisadores e empresários do setor envolvidos no projeto. Outros dois eventos deverão marcar o lançamento do livro. Um na Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp, em Limeira, e outro em Recife.

 

Futuros do Bioetanol: O Brasil na Liderança?
Editora Elsevier
Páginas: 200
Preço: R$ 79,90

Simone Pallone

Simone Pallone é editora executiva da Inovação - Revista de C,T&I. Jornalista, formada pela PUC-Campinas e doutora em Política Científica e Tecnológica, pelo Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências, da Unicamp. Atuou em veículos de comunicação de massa, jornais empresariais e revistas especializadas. Desde 2003 é pesquisadora no Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade (Nudecri), do qual é coordenadora. É editora da revista ComCiência (Labjor e SBPC) e docente nos curso de Especialização em Jornalismo Científico e Mestrado em Divulgação Científica e Cultural, ambos oferecidos pelo Labjor.