Bicicletenário – os 200 anos da primeira patente de bicicleta

Marcio Luis Ferreira Nascimento é físico, professor associado do Departamento de Engenharia Química da Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia (UFBA) Com mais de um bilhão (1.000.000.000 ou 109) de unidades produzidas, as bicicletas são, sem dúvida, o veículo mais produzido e utilizado no mundo – e portanto pode ser considerada uma das mais relevantes

O engenheiro que sabia patentês

Marcio Luis Ferreira Nascimento é físico, professor associado do Departamento de Engenharia Química da Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia (UFBA) Há um clássico conto do, para muitos inigualável, escritor e jornalista brasileiro Afonso Henriques de Lima Barreto (1881-1922), mais conhecido pelo sobrenome, chamado “O homem que sabia javanês”, publicado no extinto Gazeta da Tarde

A problemática dos indicadores de inovação na América Latina

Silvia Angélica D. de Carvalho é professora da Unesp e pesquisadora colaboradora do Departamento de Política Científica e Tecnológica, IG/Unicamp. André Tosi Furtado é professor titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica, IG/Unicamp. A Rede Iberoamericana e Interamericana de Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação (Ricyt, na sigla em espanhol) é uma das principais instituições

Uso de patentes, desenhos industriais e marcas na indústria têxtil e de confecções no Brasil

Sergio M. P. de Carvalho  é especialista sênior, Academia INPI Marina F. Jorge é pesquisadora, Assessora de Assuntos Econômicos – Aecon/INPI Vivian I. Barcelos, Felipe V. Lopes, Fernando L. de Assis, Vicente de S. C. Freitas e Gustavo T. P. da Silva são analistas de planejamento da Aecon/INPI.   O processo de competição internacional, particularmente com

20 anos da Lei de Propriedade Industrial do Brasil: ações do INPI para mudança de cenário

Rita Pinheiro-Machado é Coordenadora Geral da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do INPI. Kátia Freitas é Coordenadora de Formação e Extensão em Propriedade Intelectual da Academia do INPI. A Lei de Propriedade Industrial (LPI) brasileira – Lei nº 9.279 de 14 de maio de 1996[a], está completando 20 anos. Antes de uma avaliação

Iniciativas brasileiras para incentivar a mobilidade elétrica: a experiência da CPFL

Flavia L. Consoni é Profa. do Departamento de Política Científica e Tecnológica, do Instituto de Geociências, da Unicamp. Marcos de Carvalho Marques é consultor sênior do CPqD e doutorando em Política Cientifica e Tecnológica da Unicamp Danilo do Nascimento Leite atua na Diretoria de Estratégia e Inovação/ CPF e é, gerente do projeto Emotive Daniela

Concentração espacial das atividades inovativas: considerações sobre o sistema regional de inovação do Rio de Janeiro

Daniela Scarpa Beneli é mestre em política científica e tecnológica pelo Departamento de Política Científica e Tecnológica, IG/Unicamp. Atualmente é doutoranda no mesmo departamento e professora do curso de ciências econômicas da PUC-Campinas*. Silvia Angélica D. de Carvalho é doutora em política científica e tecnológica pelo Departamento de Política Científica e Tecnológica, IG/Unicamp. Atualmente é

Elementos para o sucesso em acordos de parceria envolvendo propriedade intelectual: reflexões a partir do projeto da Embrapii

Alexandre Guimarães Vasconcellos é doutor em biotecnologia vegetal. Pesquisador e professor da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento, Coordenação de Programas de Pós-Graduação, Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI. Rita Pinheiro-Machado é doutora em química biológica – ênfase em gestão, educação e difusão em biociências (UFRJ), professora de pós-graduação em propriedade intelectual e

Investimento governamental em P&D cumpre papel duplo em cenários de instabilidade econômica

Além de mudanças estruturais de longo prazo na composição dos sistemas econômicos, dispêndios governamentais em Pesquisa e Desenvolvimento proporcionam ganhos de curto prazo. Mas o corte orçamentário no MCTI subtraiu cerca de R$ 2 bilhões em 2015, ou 25% do inicialmente previsto – uma perigosa miopia dos tomadores de decisão. Por Bruno Brandão Fischer Departamento

A P&D nos estados do Brasil: mudanças tempórias ou permanentes?

Silvia Angélica D. de Carvalho; Daniela Scarpa Beneli; André Tosi Furtado – Os autores são pesquisadores do Grupo de Estudos de Indicadores de Ciência,Tecnologia e Inovação do Departamento de Política Científica e Tecnológica, Instituto de Geociências, Unicamp O desenvolvimento científico e tecnológico intensificado nas últimas décadas tornou os sistemas nacionais de inovação mais complexos e